• Priscila Cavalcante - jornalista Napri Comunicação

Correria diária traz uma série de impactos negativos na vida da pessoa


Se fosse uma modalidade esportiva, a correria do dia a dia seria um tipo de atividade em que o competidor nunca consegue conquistar o primeiro lugar. Na rotina moderna, as pessoas não têm tempo para mais nada, a não ser produzir. Os resultados dessa produção, entretanto, parecem não satisfazer o indivíduo por muito tempo, que é conduzido a sempre buscar mais e mais.

“Esse tipo de estilo de vida tem criado uma geração de pessoas doentes, que correm atrás de um objetivo, mas parece nunca alcançá-lo graças ao imediatismo. O século XXI formou uma geração de pessoas cansadas, frustradas, tristes, uma verdadeira multidão de impacientes”, afirma a psicóloga do Instituto Subjetiva, Karolyne Fagundes de Paula.

Atualmente, as pessoas não têm tempo para ver a família, os amigos, de descansar. A mídia também fortalece a falta de tempo na agenda com a cultura do “ter” e não do “ser”. O resultado é que uma hora o corpo vai cobrar pelo descanso e exigir parar um pouco. “É na terapia que a pessoa finalmente para e começa a analisar como o seu estilo de vida tem trazido impactos negativos para ela”, acrescenta a psicóloga.

Quem vive na correria, perde a essência das pequenas coisas, é preciso começar a ver a vida mais em câmera lenta e saboreá-la. Nesse contexto, a psicoterapia é importante porque vai fazer a pessoa parar e respirar um pouco e a enxergar a vida e não apenas vê-la de uma forma mecânica.


0 visualização

FALE CONOSCO

(27) 3752-1696

Seg - Sext: 8:00 - 18:00

Eurico Salles, 200 | Centro

Nova Venécia - ES

Siga-nos nas redes sociais

  • Subjetiva no Facebook
  • Subjetiva no Linkedin
  • Subjetiva no Instagram

Envie-nos uma mensagem

Subjetiva Instituto de Psicologia
CNPJ: 27.255.811/0001-90
CRP16 PJ: 454